sexta-feira, novembro 07, 2008

Sem razão


Foto Agatha de Valmont. Ottawa bike.

A alma é música que às vezes entorta e deixa cair o ritmo janela abaixo
é lago no escuro trêmulo do quarto à procura de luzes
e luz sempre em busca.

Alma é deserto pleno e fala de oásis que não viu.

Alma é brinquedo quebrado e ainda assim
amado pela criança que imagina seu brinquedo todo inteiro
por um milagre em que só mesmo as crianças acreditam.

Milagre é brincar de ser grande sendo grande
e misturar a música da alma na longa espera das pessoas grandes.

6 comentários:

Amélia disse...

belo poema, Adelaide!Como sempre.Beijo

Moacy Cirne disse...

Seus versos. Seus sentimentos. Sua poesia. Meu beijo.

Márcia disse...

esses dois versos finais, adade, são sublimes.
beijo por eles.

helen ps disse...

A alma é a própria razão de ser da razão. Lindo tema.

Abraço,

PAZ e LUZ

Mulher na Janela disse...

o milagre é estar aqui.
lindo demais!

beijos...

Iara

Nina disse...

nossa! eu amei isso!!!
mt bonito, mesmo...
delicada demais essa alma