segunda-feira, abril 21, 2008

Toda palavra


Escher. Puddle.

Toda palavra tem a dupla face
raso e deriva.

Toda palavra traz
à tona um corpo uma coisa ou
rastros de outro corpo
a não ser por exemplo
tratar-se de uma aurora
nem boreal nem retrato.

Mas as palavras sobem
estranhas espirais
corpos de fumo
ou curtumes
de intenções que escapam
pelos braços
e mutantes
domam nossos sentidos

6 comentários:

Moacy Cirne disse...

Toda palavra pode ser poesia...

Betty Branco Martins disse...

querida________Adelaide



como sempre______um raio de sol



_________ler-te____...






.as palavras

há muito
que são______íntimas






no





pulso_____da manhã

e




acesas_____no




interior



.das vogais______...



_____________...____________



final de férias. voltei:)





beijo_______C______carinhO

felipe k. disse...

Oi, Adelaide. Bom saber daqui. Beijos.

Anônimo disse...

Gosto sempre, muito, tanto das coisas que você escreve...
Beijos,
Melina

www.euescrevendo.blogger.com.br

Anônimo disse...

Gosto sempre, muito, tanto das coisas que você escreve...
Beijos,
Melina

www.euescrevendo.blogger.com.br

MAO // disse...

Como vc consegue atualizar tantos blogs??

Beijos bons