segunda-feira, junho 30, 2008

Arca

A nau do sono recolhe fugitivos
como se fosse a arca de Noé.

E se adormecem felizes os amantes
e os filhos com seus pais
acalentados em noites de bonança
contra a corrente dormem
solitários
aqueles que sofrem de fome
ou desespero.

O sono nos iguala pelo sonho
porque até no dilúvio deus sabe o que faz
e navegamos todos
rumo ao monte Ararat.

 

2 comentários:

acqua disse...

Uma leitura lateral, quase um olhar sobre a pele. Gostei.

Ps. Não sumi, estou sempre por aí, apenas há momentos em que o silencio é uma doce companhia. Abraços caríssima...

Marcelo Amorim disse...

Adelaide, esse teu blog tinha me escapado até anteontem. Dei uma olhada em vários textos seus e fiquei impressionado com a qualidade do que e de como você escreve. Ainda preciso ler mais o que tem aqui, o que pretendo fazer aos poucos. Coisas lindas, tocantes. Beijo