sábado, fevereiro 02, 2008

Gume


Dessas palavras tantas que dissemos
uma caiu no chão
e assim de perto
parecia sem gume.

Mas a palavra dita em hora errada
nos enganava
fez ruir o tempo
soterrou a eternidade

6 comentários:

Mel disse...

Quando as palavras já estão gastas, calar pode ser mesmo a melhor opção... Mas que não seja por muito tempo.
Beijos, Mel
http://casualeblog.wordpress.com/

Maria disse...

palavras,palavras...sempre fontes de inspiração para tantas músicas, poesias...beijos

Lunna Montez'zinny disse...

As vezes procuro pelo silencio nos mais diferentes lugares. Fico inquieta quando vejo que falta até mesmo em mim.

(l' excessive) disse...

Palavra dita inapropriadamente é como se jogássemos uma pedra em alguém. Tá feito e não tem como remediar. Por isto, sejamos leves... sempre que for possível.
Beijão, querida

Sérgio Luyz disse...

Adelaide, sou fã de sua poesia e, se você me permite, faço aqui uma objeção; os sentidos de uma palavra ou a sua própria condição de imagem, não se (des)gastam. O que se (des)gasta é a nossa capacidade de assimilá-la como a um golpe, ou senti-la como a um prazer.
Sua poesia assimilo e sinto sempre...

Boa folia!!!!

Eternessências disse...

"Ai, palavras;ai,palavras!
Que estranha potência a vossa!"
O seu bom ou mau uso determina uma condição!...