sexta-feira, abril 17, 2009

Fuga


Dentro da caixa achou
dentes de leite
dezesseis velas de aniversário
cera azul
os números de papelão do jogo antigo
e o copo desmontável
que já não mata mais nenhuma sede.

Na máquina do tempo
a sala transformada em barco
cortinas enfunadas
num roteiro de fuga.

2 comentários:

Letti disse...

Oi Adelaide,
Lindo esse espaço que você criou para poetar. Adorei.
beijo grande!

Cris disse...

Oi, querida,

Passei aquí pra te dizer um Oi! e uma boa e curta semana.

Beijão.