quinta-feira, abril 30, 2009

Etiqueta





A poucos metros do trilho
a fila a massa e os gestos se
misturam de vozes
íntimas de agora
e nunca.

O caos desfila no rush da calçada
ruge nos trens do metrô
e arranca da blusa nova uma etiqueta
última pluma.

 

6 comentários:

Lunna Montez'zinny disse...

Lembrou-se a urbanicidade que as vezes me povoa a alma e me deixa sem alento algum. Abraços


Ps. Senti sua falta na edição de abril do coletânea. Espero que esteja na próxima "Sobre barcos e letras"

Guto Oliveira disse...

Lindo! Uma pluma em meio ao caos. Belo poema pra se ler no dia do trabalhador. Beijos.

http://quasepoema.zip.net

Márcia disse...

estes dois últimos versos são um achado, adade. lindos!

olha eu aqui com saudade. ;)

um beijo bem grande, daqui, onde choveeeeeeeee.

Roberto Ney disse...

Poesia urbana. Nessa fase concretista que estou, seu poema me caiu como uma luva...
eu volto viu!
abraço!

Moacy Cirne disse...

Oi,
há um poema sei no Balaio.
Beijos.

Nydia Bonetti disse...

Assim, a "cidade grande", Adelaide: veloz, voraz... Adorei. Beijo.