domingo, setembro 06, 2009

Eles

 

Ele falava às vezes como quem desembarca de estrelas trituradas
farpas que ela seguia pisando pelas curvas do dia
falas rascantes capazes de quebrar o sono
como cristal estilhaçado por uma voz de soprano.

Ele falava às vezes como quem grita de feridas
que ela não via mas ardiam sem cura
em seu rosto pós pranto.

7 comentários:

Moacy Cirne disse...

Oi,
acabei de acrescentar o seu espaço à Feira de Blogues do Balaio.

Um abraço.

Laura disse...

Cara Adelaide,
Gosto e sigo tudo o que escreve, mas este poema, em particular, devo dizer-lhe, tocou-me profundamente.
Muito obrigada, simplesmente, por escrever e partilhar connosco as suas belas letras.

Guto Oliveira disse...

A fala e seus símbolos. A fala como revelação ou significado do eu (ou dos eus). Amei o poema e também fui tocado por ele. Beijo.


http://quasepoema.zip.net

Antologia Bloética disse...

Adelaide Amorim,

Já inserimos alguns dos seus poemas no Antologia Bloética. Esta antologia se propõe a compilar poetas que divulgam exclusivamente seus poemas em blog. Sabendo que alguns possuem obras publicadas em livro, ainda assim agregaremos esses autores com a condição de que os poemas selecionados tenham sido publicados na rede. Bem-vindos ao blog dos "bloetas!!!

Agradecemos a credibilidade e a disponiblidade, Adelaide.

Muito grato.

Kanauã Kaluanã disse...

Adelaide, tu afinaste, refinaste e deste o perfeito tom ao grito que protagonizou este teu poema.

E conseguiste tocar a parte profunda de quem aqui sente o que são vozes que distoam em diferentes escalas... feridas que não conseguem dialogar.

Lindo, poestisa.

Jefferson Bessa disse...

quando "eles" se ferem...
um quadro,
uma descrição de uma cena.

um abraço.
Jefferson

Carla disse...

eles se entendem no imperfeito do conflito, do erro, da dor. eles se entregam imperfeitos...

Lindo!