quinta-feira, agosto 12, 2010

Manhã no jardim



E cada gota de orvalho
cada botão de jasmim
falam calados
sua linguagem vegetal
que não se pode entender
e entanto vive
– a fala muda da indiferença
enfeite bruto na vida paralela
e nova
cada manhã.

Nem sabem
o que é inveja.
Nem sabem dar as mãos
verdes de sol.

Serão felizes, as plantas?

11 comentários:

nydia bonetti disse...

Com certeza mais do que nós, dade. beijo.

Marcantonio disse...

Nossa! Que bela descrição da vida vegetal; muda, indiferente, paralela e nova a cada manhã.
Felizes as plantas? Talvez, se a felicidade for não desejar nada.

Abraço.

Fouad Talal disse...

nossa...
ficou muito bom!
lembrei de um livro viajado que li a alguns anos atrás chamado "a vida secreta das plantas", uma loucura...

bjo

José Carlos Brandão disse...

As plantas dão-nos, a nós, a felicidade. É preciso mais?

J.F. de Souza disse...

serão felizes, as plantas?
não sentem dor, os metais?

perguntas que não consigo responder...

Lara Amaral disse...

Não dão as mãos
mas beija-flor
sabe o gosto delas.

Beijo doce em ti, já estava com saudades dos seus versos.

Assis Freitas disse...

ah vontade de aprender essa linguagem vegetal,


beijo

Úrsula Avner disse...

Oi Dade,

lindos e abundantes versos como de costume... Certamente as plantas são felizes e muito... Bj com carinho.

Zélia Guardiano disse...

Certamente são felizes!
A beleza, o colorido, o viço são prova do que digo...
Lindo poema!
Abraço, Dade...

contagotas disse...

Basta ver como crescem verdejantes, se desdobram em flor e na abundancia de sementes que produzem, para que se acredite serem felizes.
Muito belo o seu poema.

Beijos, verdes

Carol Timm disse...

Dade,

Também li a Vida Secreta das Plantas, mas só lembrei ao ler outro comentário.

Minha mãe conversava com as plantas e eu sempre achei isso incrível.

Uma manhã no jardim... trouxe muitas lembranças.

Beijos,
Carol