terça-feira, setembro 07, 2010

Paraty IV

Agora este silêncio
imenso grave e escuro
sobre os telhados

ora adere ao chão molhado
o mar que espreita
ora enternece ao som do pio frágil
nas folhagens.

Impossível ser tudo.

Na pele a aragem fria
de uma delicadeza de açucena
prediz a madrugada
como um estado de graça.

O mundo é simples
vivemos muito pouco
e apenas cremos que dure mais um dia.

Ao meio-dia o mar invade as ruas.

18 comentários:

Assis Freitas disse...

poema de uma elegancia ímpar, cada palavra um cuidado mesmo quando fere é com delicadeza,


beijo

nydia bonetti disse...

Impossível ser tudo. Mas ao meio dia o mar vai além do que lhe foi permitido.
Elegância, serenidade... tua poesia apascenta meu coração. Beijo grande, dade.

Úrsula Avner disse...

Oi Dade,

beleza impar, sensibilidade extrema num lirismo encantador. Bj.

Daniela Delias disse...

"Impossível ser tudo...". Fico com o teu verso em mim essa noite...grande beijo!

Marcantonio disse...

Agora, à meia-noite,a sua poesia invade as minhas ruas internas.
Impossível ser e dizer tudo. Ah, o mundo... Simples, apesar de nós.

Beijo, com admiração!

Zélia Guardiano disse...

Belíssimo, Dade!
Poema para alçar a gente ao estado de graça...
Demais!
Grande abraço, todo entremeado de gratidão pela visita que me fizeste...

Mirze Souza disse...

Dade!

Impossível não me emocionar com sua poesia.

O mundo é simples, a vida é simples e muitos complicam.

Como é bom vir aqui!

Beijos

Mirze

contagotas disse...

Muito bonito seu poema.
Adorei o silêncio, o pio frágil nas folhagens, a delicadeza de açucena predizendo a madrugada, o meio dia em maré alta,...
Fiquei em estado de graça!

Obrigada por nos oferecer tudo isto
Bjos
MariaIvone

« Katyuscia Carvalho » disse...

Querida Dade,

Acalento.
Teus versos aconchegam como fazem as poças, mesmo de mar.

Um beijo.

Amélia disse...

Gosto tanto do seu fazer poético!Acho que vou colocar no meu blogue.Posso?

Lara Amaral disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lara Amaral disse...

Quando te leio, não sei o que vc não pode ser, ou escrever.

Beijo.

Graça Pires disse...

Um silêncio que é o prenúncio de uma qualquer tempestade...
Beijos.

Gerana Damulakis disse...

Muito bonito, como tudo que vc escreve.

Lalo Arias disse...

Mais um dos seus poemas que eu gostaria de ter escrito.
Im beijo, Dade.

Nilson disse...

Lindo, lindo!

Jéssica disse...

boa noite preciso falar com a sr Carol timm, porque sou de uma escola chamada almirante tamandaré. E usei um poema dela em um trabalho, um poema sobre paraty(eu sempre quis escrever um poema paraty...)e preciso compartlhar algumas conquistas feitas através dele para mais detalhes preciso que um correspondente ou a propria sr carol entre em contato comigo. atenciosamente Jéssica

dade amorim disse...

Jéssica, por favor, entre em contato com o e-mail dedaamorimo@gmail.com
Se é que você vai ler essa resposta...