sexta-feira, fevereiro 22, 2013

Ponta do dia

Sob seus olhos
os traços se multiplicam no sorriso
lembranças que ele não deixará perdidas
se o dia parar no extremo
e intrromper a conversa deles dois.
Junto à janela, na hora do café,
vendo a coberta jogada sobre o sol
durante as tardes
ainda não sabe do escuro
nem de abismos.
É sempre que o sol declina
esse momento extremo de ravina
às vezes rosas
copas verdes
- clareiras
e o pasto
ondulando sob o vento.

14 comentários:

Leonardo B. disse...


[suave,

como uma imagem tão familiar,
tão vasta como a palavra.]

um imenso abraço, Amiga Dade

Lb

Fred Caju disse...

https://www.youtube.com/watch?v=lmxvXIWNEGo

Assis Freitas disse...

senti as ondulações : na alma



beijo

José Carlos Sant Anna disse...

Uma fascinante simplicidade com um lirismo iluminado.
Abr.,

Marcelo R. Rezende disse...

Tão simples, sereno e calmo.
Um pedaço de dia.
Tipo de poema que eu AMO.

<3

Ira Buscacio disse...

passaria o resto da vida na ponta desse dia.

pura beleza!
bj grande, minha queridona

dade amorim disse...

Obrigada, Leo. Vc é sempre um grande estimulador.
Abraço.

dade amorim disse...

Fred, gostei da sugestão.

Abração.

dade amorim disse...

Caro Assis, sua alma é de grande sensibilidade, eu sei.

Beijo.

dade amorim disse...

Obrigda, José Carlos Sant Anna. Um grande abraço.

dade amorim disse...

Marcelo, agradeço a delicadeza.


Abraço.

dade amorim disse...

Ira, minha flor, vc cria a beleza.
Beijo.

betoacioli disse...

Passando para agradecer-te visita em meu blog e parabenizar-te pelo lido blog e pelos textos encantadores. Voltarei em breve para um tour e deleite....Abraço! SIGO-TE

dade amorim disse...

Obrigada mesmo, Beto.
Grande abraço.