terça-feira, abril 09, 2013

Hoje



Hoje não quero nada do que tenho
hoje não quero
senão o impossível.

Hoje é o combate das sombras
a discussão sem rumo
o indiscernível.

Lugar terrível
a que um poder maior
nos sentencia.

9 comentários:

Marcelo R. Rezende disse...

Mas nem sempre a sentença é negativa.
Há quem morra de amores e goste, é elevação da alma.
E nem só de amor.
Tanta coisa.

Amei esse <3

Assis Freitas disse...

o indiscernível: e que tanto



beijo

Pedro Luiz Da Cas Viegas disse...

Gostei muito disso, poeticamente falando.

Ira Buscacio disse...

Dade queridona, esse poema é a minha cara, hoje.

irado!!!!
bj imenso

José Carlos Sant Anna disse...

Há sempre um hoje, ou qualquer outro nome que o receba, questionando o sujeito. Mas sem questionamento não encontramos o nosso verdadeiro lugar no mundo. Indagar-se é função do poeta, pois, ao fazê-lo, leva o leitor a segui-lo, a acompanhá-lo, fazendo dele as reflexões do poeta.
Nossa, escrevi demais...
Abr.,

dade amorim disse...

Uma grande alegria receber comentários tão pertinentes.
Obrigada, amigos!

Ivan disse...

Às vezes é assim mesmo.
Um excelente poema, Dade.
Beijos do Ivan.

Enylton disse...

Tantas vezes isso nos ocorre...

Beijos nossos

teca disse...

Hoje questionado... ontem amanhecido...

Beijos.