domingo, agosto 05, 2007

História de umas princesas


E. Munch. Dama do mar.

O céu desenha janelas
nas torres feitas de prata
para contemplar o mar
de onde as filhas langorosas
do rei namoram marujos.

A praia é o leito do mundo
lençóis bordados de espuma
e o rei que sofre de insônia
dorme até o meio-dia
sem saber o que elas fazem.

E lá se vão duas delas
a aia no seu encalço
solas deixando na areia
sinais de saias e rastros
de pezinhos delicados.

Ai se o rei desperta agora
a aia geme com medo
mas as meninas nem ouvem
já divisando o batel
dos marinheiros dourados.

Porque a vida se repete
o barco parte à noitinha
as princesas choram tristes
e o rei ensombrece a lua
com sua dor quase infinita.

As princesas logo voltam
à luz de poucas estrelas
e batizam seus herdeiros
em noites de tempestade
o rei sentado em seu trono.

O rei vê crescer os netos
e na praia iluminada
as conchas sorriem ao sol
o vento refaz a vida.

Porém as filhas meninas
que o rei conserva na torre
querem ser como as irmãs
e esperam de outras manhãs
o barco dos namorados.

2 comentários:

(l' excessive) disse...

Adelaide!
Tente neste:
http://picasaweb.google.com.br/beth.kasper

Ve3ja no álbum Minhas Preferidas.
Aliás, podes usar as fotos sempre que quiseres.
Um beijão e boa semana

Analuka disse...

Muito belo, este poema sobre as princesas, fui acompanhando o desenrolar do fio - ou dos fios! - com prazer, e as palavras pintando olhos, estrelas, seios, sorrisos, barcos, velas, nuvens, ondas em meu pensamento!... ABraços azuis, Adelaide.