terça-feira, setembro 09, 2008

Manhã

Munch. Manhã.



O mundo do quarto
mantém uníssona a regalia
da solidão acolchoada.

Só o risco dos pássaros perfura
o esboço do silêncio
e transtorna o instante.

2 comentários:

Alexandre Fonseca disse...

parabéns pelo(s) blog(s).
gostava de dizer mais alguma coisa, mas os olhos já estão cansados...

um beijo de Portugal.

Analuka disse...

Querida Adelaide, tão lindos teus poemas!... Eles "pintam" imagens-sensações tão delicadas, suaves inscrições, como que retalhos ou rendas de sonhos, lembranças, impressões, deixando na alma rastros do indizível... Beijinhos alados, saudades.