terça-feira, julho 16, 2013

Presente do vento




Gigante de um conto de fadas
o vento nos apagou
as luzes todas da casa
e acendeu pela janela
uma noite enluarada.

10 comentários:

Assis Freitas disse...

bendito seja o vento que ilumina



beijo

R. Vieira disse...

Que vento brincalhão e bem poético. Se vê!


Beijos Dade!

R.: Onde encontro o livro do Graciliano que me indicaste. Procurei mas não encontrei.

LUCONI disse...

LINDO, ficou muito especial este teu poema, nossa este vento foi amigo nada melhor que a luz do luar, perfeito, beijos Luconi

Aloísio disse...

Delicioso, este poema, Dade!

Beijo grande.

Ivan disse...

Sempre gosto de teus poemas, e esse é fora de série.

Beijos!

cirandeira disse...

Que vento fértil e maravilhoso, Dade: Belíssimo poema!!!

Beijosss

Ives disse...

A luz da lua não pode ser apagada, e pode dar poesias encantadas! abração

José Carlos Sant Anna disse...

Vento como este, deve ser aprisionado juntamente com a memória.
beijo. Dade!

Marcelo R. Rezende disse...

A noite mais linda.

Anna Amorim disse...

Re-contar estrelas no céu das bocas enluaradas.

Beijos, poetisa