quarta-feira, agosto 07, 2013

Espera



A ferrovia                                      
corta a distância
o tempo
mas não desfaz a espera.
O trem carrega as lembranças
e não para.

Mesmo que os trilhos
vistam anéis de sol e lua
a espera é uma viagem
sem desvios.

6 comentários:

José Carlos Sant Anna disse...

Tuas mãos estão sempre nuas quando escreves, Dade! Esta Espera é uma revelação...
beijo,

Anna Amorim disse...

Dade,

Os olhares do tempo vigiam a espera do humano em nós.

Beijos, poetisa

Assis Freitas disse...

uma viagem dentro d'outra

beijo

Adri Aleixo disse...

Em mim é tão doída...

Uma beleza de poema, Dade. Amo esse seu espaço tão rico de pedacinhos meus.

Beijo!

Ivan disse...

Mas que beleza, Dade!

Beijos do Ivan.

Fred Caju disse...

Sem desvio e expressa.