sábado, janeiro 15, 2011

Da alegria




Ela sempre suspira durante uma alegria
como uma criancinha
a quem a alegria em excesso causa espanto.

Estar muito alegre pode assustar
e mesmo deixar alguém amedrontado.
A alegria e sua curva transcendental
são poderosas
e fazem pouco de nós.

8 comentários:

Mirze Souza disse...

Em certas vidas, Dade, são tão raros os momentos de alegria que assusta mesmo.

Amei!

Lindo! Lindo!

Beijos

Mirze

Samuel Pimenta disse...

A alegria amedrontano-nos. Aliás, a própria vida tem o poder de nos deixar inquietos. Mas é tão bom estar alegre. É tão bom estar vivo...
Um excelente poema.

Tudo de bom,

Samuel Pimenta.

Assis Freitas disse...

a alegria transborda,


beijo

José Carlos Brandão disse...

A alegria e sua curva transcendental - tocou no ponto!
Beijo.

Zélia Guardiano disse...

Dade, minha querida
Realmente a alegria, muita vez, assusta...
Quando ela é grande demais, tira a gente do prumo: medo, penso eu, da realidade crua que costuma retornar e reassumir seu posto, assim que a felicidade se despede...
Lindíssimo escrito, amiga!
Grande abraço da
Zélia

Anônimo disse...

Quando a alegria é grande demais, ela se torna maior que nós. Um poema bonito e verdadeiro. Mais um.
Beijo
Ivan

MariaIvone disse...

Os excessos assustam-nos criando barreiras inibidoras que nos retraiem os sentimentos.
Sejamos alegres!

Beijo pleno de alegria

Nilson Barcelli disse...

A alegria, grosso modo, tem de estar em consonância com o que lhe dá origem.
Rir de mais pode ser de tolo... e de menos, de sisudo...
Mas, em qualquer caso, a alegria é um estado de espírito saudável.
Belo poema, gostei imenso.
Querida amiga, bom resto de semana.
Beijos.