quinta-feira, outubro 07, 2010

Poema-Amigo: Assis Freitas


 

Nesta semana, ele postou essa joia:

improviso sobre aquele poema que não te dei

ao te ver em velas, velo
o torpe desvelo, novelo
em que se tece, esquece
a dor e o desvario, rio

desse fruto tosco, mordo
e afino migalhas, guitarra
de tão línea fibra, retina
largamente em ilhas, sina

a cada verso findo, minto
e a ti flor prometida, linda
recorda-me o destino, tino
sobraçar o vazio, principio



Fuessli. Beijo.



 Amor é sempre

Poemas de amor antigo
mesmo os amores de outrora
antigos que foram novos
qualquer poema de amor
é sempre agora.

Dade Amorim




14 comentários:

Marcantonio disse...

Assim como aquele De Assis, o Francisco, vivia cercado de pássaros, o nosso José de Assis Freitas parece andar entre incessantes revoadas de versos. Grande poeta! E é um privilégio poder ler um poema dele a cada manhã. Eleva com elegância esse conceito de blog-poético à alturas muito elevadas e nobres.

Com relação ao seu poema, pôxa, é inspiradíssimo esse conceito da contínua e natural atualização do poema de amor. Nem sempre a palavra sempre é desmedida.

Beijo.

Assis Freitas disse...

bela essa presentificação, de teu presente e desse presente que nos assoma, o amor é sempre o agora


beijo e gracias

Lau Milesi disse...

Bom dia!Concordo com você quanto à classificação dada ao poema do poeta Assis: uma verdadeira joia. Fiquei também apaixonada pelo poema .
Veio fazer companhia aos seus belíssimos versos. Parabéns!
Um abraço

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) disse...

Dade,
"Agora que é quase quando"? Teu poema ao do Assis retém, retido nele, entretido dele...
Gosto das intersecções, dos interlúdios...
Gosto do cheiro da amizade: dá de graça quem tem bom coração, há de vingar...

Abraço inteiro (ou metade),
Pedro Ramúcio.

Luiza Maciel Nogueira disse...

belíssimo, e é exatamente isso! é sempre agora! beijo

Úrsula Avner disse...

Oi Dade,

mais uma postagem impecável... Aprecio muito os poemas do Assis que escreve com habilidade poética e sensibilidade. Seu poemeto é um mimo e este quadro do poema-amigo é bem interessante. Bj com carinho.

Gerana Damulakis disse...

O projeto de Assis - os mil e um poemas - envolve completamente quem acompanha. E ele dá um show.
O exemplo aqui mostrado foi muito bem apanhado.

Mirze Souza disse...

DADE!

Nossa que parceria PERFEITA!

Assis é um domador de palavras que querem voar. às vezes ele atinge a altura das áquias, como nesse poema!

O seu, com a elegância de sempre em dizer: "qualquer poema de amor é sempre agora"

Fantástico!

Aplausos aos dois grandes poetas!

Beijos

Mirze

Mai disse...

A bela imagem do marcantônio "revoada de versos" é o que encontramos lá no mil e um versos e aqui, tantas vezes, temos também encontrado. Bendita blogosfera!

beijos, Dade

Zélia Guardiano disse...

Belíssimo, Dade!
Você e ele, um magnífico presente!
Grande abraço e beijinhos, amiga.

Lídia Borges disse...

Um conjunto de dois poemas carregados de significado.
No de Assis Freitas o ritmo, a aliteração, a musicalidade. No seu, a estrutura interna que nos leva numa viagem circular, a propósito do amor.

Lídia Borges

Lara Amaral disse...

Seu poema é tão delicado, Dade! =)

E o Assis, cá entre todos nós, é um dos poetas mais sensíveis e incríveis da rede.

Beijos.

Marcelo disse...

todo amor faz bem/amor de todos eu quero/mais amor ainda de quem amo/amar faz todo bem diante do mar/chorar lagrimas doces/apaziguar meu coraçao com um rio/rio de amor sereno/em ondas quentes surge o desejo/a nudez tao transparente/do amor que tanto desejo/desejo tanto/amo tanto/porque tanto mais amor eu tenho/mais eu preciso sentir....

Daniela Delias disse...

Ah, que encontro lindo! Tenho paixão por buscar os poemas dos dois sempre que entro na rede...e agora, aqui, juntos,tudo fica mais mágico ainda! Bjos, Dade! Carinho imenso!