sexta-feira, novembro 05, 2010

A flor e a empregada



Minha patroa insiste
: da flor a água se muda todo dia.
O dia todo ela fala
(sua voz me cansa o ouvido)
a flor não muda e repete
que mude a água da flor
esquecida na jarra.

A flor tem que ter sua muda
toda semana
(ela nem ouve
as coisas que eu resmungo).
Se a flor da jarra não muda
a flor perde todo viço
eu sempre aviso
(prefiro o lado da flor
que ao menos sofre calada)
e a flor cada vez mais triste.

Ela diz que é minha a culpa
ainda que eu mude a água
e ela se esqueça da flor.

A flor já não resiste
e morre
cabisbaixa.

Dia desses não aguento
me livro de flor e jarra
e procuro uma patroa
que entenda tanto de flores
quanto eu.



Nosso amigo Jefferson Bessa levou o poema para o seu Lendo Poesia, com empregada flor e tudo. Obrigada Jefferson, fico feliz de estar aí, entre tanta gente boa.

10 comentários:

Jefferson Bessa disse...

Dade, gostei muito mesmo. Tanto que, se permitir, vou postar no meu blog Lendo Poesia com os devidos créditos. Um beijo.
Jefferson.

Zélia Guardiano disse...

Maravilhosos versos, minha querida Dade!
A flor e a empregada...
Adoro temas assim!
Eles nos mostram que a poesia reside em tudo, e isso é muito lindo...
Você tem o dom de encantar-me!
Enorme abraço, amiga

Marcantonio disse...

Considerando o que já li do que você escreve, esse me parece um poema inusitado, diferente,mas igualmente bom. Aliás, muito bom. Um poema com personagens.

Beijo.

Amélia disse...

Só posso concordar...um muito belo poema.E se o colocasse na lista também?

João Renato disse...

Dade,
Quando o alicerce é original e bem sacado, o poema encontra o seu caminho, e é necessariamente bom.
Parabéns.
JR.

Assis Freitas disse...

pequena lição de sabedoria,


beijo

Lara Amaral disse...

Há pessoas que sempre arranjam algo para pôr a culpa de suas lamúrias.

Beijo, Dade!

Mirze Souza disse...

LINDO, DADE!

E verdadeiro! Um poema sem defeitos, com exceção dos defeitos humanos que todos temos, mas colocados com um humor finíssimo!


Parabéns!

Beijos

Mirze

Anônimo disse...

Dade, a poesia se esconde nas pequenas coisas, em detalhes que passam por nossos olhos desapercebidos. Mais nesses detalhes, talvez, do que nos temas épicos que inspiraram nossos antepassados. Lindo, esse poema do cotidiano, dos sentimentos mais comuns.
Beijo

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Muita musicalidade na forma e um verdadeiro tratado de filosofia no conteúdo. Muito bom, Dade. Parabéns.