sexta-feira, novembro 12, 2010

Anatomia da luz

Foto Sebastião Salgado.



Há uma rachadura em todas as coisas.
É por ela que a luz entra.
                                    Leonard Cohen




A luz de dentro dos olhos
vem do ar que se respira.

Até os pensamentos mais soturnos
sobrevivem assim
– um toque do pintor em rua escura
os vagalumes fugindo e renascendo
à luz do vento.

Vem pelas veias do céu
em anos-luz de linhas desmedidas
tecendo teias.
Procura pedras da terra
vestes rasgadas
na guerra os corpos feridos.

A luz é do que corrompe ou regenera
não salva – só ilumina
não planta
germina e cresce.

12 comentários:

Leonardo B. disse...

escrevia há alguns dias que...

Antes que aconteça o astro flamejante, porém,
Guarda-se o instante
Na derradeira morada, no
Corpo de gente vão de escada,
Acto contrito derramado
No dia que se inscreve, no
Pouco de infinito, mais além
Mais uma manhã para o mundo!

... lembrou-me: as suas palavras aconchegaram-me!

Um imenso abraço, Amiga Dade

Leonardo B.

Úrsula Avner disse...

Oi Dade,

um lindo texto de profundidade existencial que conduz a uma reflexão tão profunda quanto. Bj,

Úrsula

Carol Timm disse...

Dade,

Este é daqueles poemas que deixam a fresta exata para a gente entrar e nunca mais desabitá-lo.

Lindo mesmo!

Beijos e um super feiradão para nós,
Carol

Júlio Castellain disse...

...
Beleza.
Abraço.
...

José Carlos Brandão disse...

Faça-se a luz! O princípio da Criação foi a luz.
Mais luz, mais luz! As últimas palavras do Poeta foram a luz.
A poesia é um facho de luz que o poeta acende.
Beijo.

Nilson disse...

Oi, Dade, gostei muito do poema, desta reflexão em torno da luz, desdobramentos, rachaduras. É preciso mesmo repensar!

contagotas disse...

Bom que rache, para que se ilumine!

Beijos,
MariaIvone

Susana Miguel disse...

gostei muito, muito, dade amorim. este tema o da luz é algo que penso muitas vezes.e é mesmo verdade, há coisas que não deixam passar nada para dentro delas e que só entram quando há uns buraquinhos, mas muita rachadura também faz com que a luz não se foque em nada especial e se perca.
há um pequeno risco em todas as coisas (...)

beijinhos;)

Graça Pires disse...

Convocar a luz para esconder as sombras...
Um beijo.

Eduardo Tornaghi disse...

Muito legal Dade. Tema, epígrafe e imagens. Valeu o contato

nydia bonetti disse...

cuidadores da luz, negligenciamos o foco - tem sido assim, infelizmente. há tanto a ser repensado.
mas na tua poesia, sempre um brilho inquestionável. beijo, dade.

Mirze Souza disse...

Dade!

Profundamente belo!

"É preciso repensar as rachaduras"!

Há um grande fecho de luz no poema!

Brilhante!

Beijos

Mirze