segunda-feira, novembro 22, 2010

Opções

Sentar à mesa pode ser tão bom
se houver
           amigos
           aqueles que você nunca vai deixar de amar
           ou um amor
           antigo ou novo, de antes depois 
           ou agora.
Se houver uma janela
            para um bosque
            a praça
            ou em especial o mar
            bravio ou calmo
            contaminando o ar
            de imprevisível.
Quando se tem fome e sede
            de comida e vinho
            de vida
            morte
            amor
            e mais ainda
            de repartir
            falar ouvir
            sentir e olhar.
Quando há pessoas como sobremesas
            prediletas
            às vezes vale a pena
            deixar de lado
            a etiqueta.






            

10 comentários:

nydia bonetti disse...

"A gente não quer só comida. A gente quer comida. Diversão e arte..." Me fez lembrar Titãs, Dade. Você tem fome de quê? São tantas... beijo, boa semana!

José Carlos Brandão disse...

A amizade ou a poesia deveriam ser sem etiquetas.
Beijo.

Mirze Souza disse...

Muito BOM!

Etiquetas que não valem para amigos, amores e crianças.

O "ficar à vontade", participar, sorrir, sem preocupação...não tem preço!

Dade, você atinge sempre aquele ponto obscuro, mas necessário.

Beijos e parabéns!

Mirze

helen ps disse...

Amei seu poema.
Amigos ao redor da mesa, um bom papo, uns quitutes e deixa o tempo rolar.
Etiqueta é a primeira coisa que eu tiro quando compro uma roupa, sabia? Incomoda, coça e arranha.

Abraços.

PAZ e LUZ

Samuel Pimenta disse...

Vale sempre a pena deixar de lado a etiqueta quando podemos ser unos junto dos que são unos connosco! Um poema encantador, Dade!

Tudo de bom,

Samuel Pimenta.

Anônimo disse...

Sempre um banquete à espera, Dade.
Beijo

Luzia

Zélia Guardiano disse...

Delicia, Dade querida!
Delícia!
Você levou à mesa, todos os ingredientes importantes!
Ah...
Etiqueta: Fora!
Adorei o post!
Deu-me uma sensação tão boa...
Verdadeiramente!
Abraço apertado, amiga!

Assis Freitas disse...

prá que tanta regra, eu adoro a exceção

maravilha


beijo

Nilson disse...

Deliciosa dica pra esses tempos de pressa e ausência de naturalidade nas relações. E o poema tem um ritmo confortante que casa bem com o tema!

João Renato disse...

Dade, eu acho que os seus textos ganham mais poesia quando são objetivos, como esse.
braço,
JR.