segunda-feira, setembro 05, 2011

Cortinas


Estou pensando num quadro
que traga texturas novas
cortinas esvoaçando
nuvens
filó-colméia
voile
e luzes tecidas
além da moldura
desbordando
sem nunca pensar no fim
redes de subir ao céu
e voltar
bobas de estrelas.


Poema reeditado.

10 comentários:

Luiza Maciel Nogueira disse...

Uma beleza rara de poema, versos que passam nos olhos como cometas, beijos!

Sandrio cândido. disse...

Redes de subir ao céu
ando precisando delas
abraços

Ivan disse...

Um quadro além da moldura é o sonho de todo artista.
Beijos do Ivan.

Daniela Delias disse...

Que linda a palavra "voile" no poema!

Fechei os olhos e vi as cortinas esvoaçando...

É sempre assim aqui, basta fechar os olhinhos rs...

Bjos!

Leonardo B. disse...

[delicada a palavra, que letra a letra sabe compor a colorida textura do dia]

um imenso abraço, Amiga Dade

Leonardo B.

MIRZE disse...

Lindo, Dade!

Você sublima a arte de um modo absurdo!

Magia pura!

Beijos

Mirze

Jefferson Bessa disse...

Um quadro eterno e vivo. Muito bonito, Dade!
Beijos.
Jefferson.

Luana disse...

Luzes tecidas em uma cortina, iluminações perfeitas, e eu gostaria de ver esse quadro.
Beijos.

Enylton disse...

As estrelas não existem só no espaço sideral, mas também em nossa imaginação e criatividade. Parabéns pelo belo poema.
Beijos nossos.

Cris de Souza disse...

você pintou um quadro...

que lindeza!