quarta-feira, janeiro 11, 2012

Reminiscências




Abro a janela
de olhar as coisas
acontecidas.
Lembranças bem-vestidas
passam sorrindo por mim
e vão embora
outras
que vêm descalças
entram no aposento imaginário
onde as espero.
Grande prazer
é ver crescer suas asas
e algumas se desdobram
coloridas
em tudo que poderiam ter sido.

O vento ameno do desejo
faz surgirem
cortinas de fumaça
na janela.


9 comentários:

Assis Freitas disse...

lembranças descalças são tão súbitas,


beijo

Sandrio cândido. disse...

olhar para trás é renascer, pois a morte é também um renascimento.
abraços

Enylton disse...

Que lindo, Dade, lembranças com destinos diversos.

Beijos.

Luiza Maciel Nogueira disse...

suavíssimo Dade, tua poesia é sempre como se donçasse
sua em seda.
beijos

mfc disse...

... rever os sonhos da forma como poderiam ter acontecido!
Assim surgem as nuvens de fumaça na janela!
Dói...sim!

Adriana Aleixo disse...

Querida, depois de uma pausa estou de volta (Inlove), lhe espero em meu blog. Bjo!

Tania regina Contreiras disse...

"Se" poderia ser também o nome do poema. E o que poderia ter acontecido se faz presente tantas vezes...

Beijos,

Ivan disse...

Se pensarmos bem, as lembranças são tudo que temos na vida, porque ninguém pode tirá-las de nós - exceto o Alzhaimer, é claro... Então, a vida é lembranças, as lembranças são a vida.

Beijos do Ivan.

Jorge Pimenta disse...

reminiscências, lembranças, memória... por que estarei eu só na noite?...
beijinho!