sexta-feira, janeiro 13, 2012

Súbito



Há momentos
em que os sentidos
gritam surpresas
como se o mar
mudasse suas correntes.
Uma outra vida
chegando insuspeitada
amadurece manhãs
inesperadas
de um impossível sol
que nos abrasa.
De repente
tudo que se pensava
gera o eclipse
para que a nova luz
nos cegue
irresistível.

13 comentários:

Luiza Maciel Nogueira disse...

Eclipses carregados de mar e sol, lume e luar sob o horizonte. Belíssimo poema, inspirador! Beijos

Sandrio cândido. disse...

não é isto que chamam viver

mfc disse...

E venha essa luz nova que tanta falta nos faz.

Bípede Falante disse...

deliciosamente irresistível :)
beijoss

Jefferson Bessa disse...

A dança dos sentidos no abrir e fechar de instantes. Lindo, Dade!
Beijos.
Jefferson.

Assis Freitas disse...

tão súbito esse amanhecimento,


beijo

Úrsula Avner disse...

Oi Dade, poema belo e condutor de reflexão como sempre... Bj.

Jorge Pimenta disse...

nos começos e recomeços respiram todos os encontros com o mundo.
beijinho, dade!

Cissa Romeu disse...

Dade, tudo bem?
Lindo!
Os gritos de surpresa que renovam e nos renovam, em cada olhar, cada luar procurado, ansiada, na busca de uma nova luz..., um amanhecer por dentro, ao avesso.

Dade, muito agradecida pelo comentário lá no amigo Jorge Pimenta sobre minha parceria com ele.
Beijinhos e ótimo fim de semana!

Fred Caju disse...

Não tem sexta-feira 13 que fiquei sombria com uma dessas.

teca disse...

Sentimentos em agitação... pura movimentação!!!!
Beijos.

Euza Noronha disse...

que essa luz sempre venha nova em todos os dias de 2012, viu?
um beijo

MIRZE disse...

Iluminada poetisa!

Um poema para refletir e tentar não aderir à cegueira, mais fácil e inconsequente modo de ver!

Excelente!

Beijos

Mirze