sexta-feira, junho 29, 2012

Ganso



Chegou do alto da pedreira
traçou uma clara curva
em semicírculos de lúcidas brancuras
como uma ferradura de opalina
da pedra ao piche do asfalto
e contornou-se
em sua forma principal.
se vacilou à verde luz das copas
foi por buscar o rumo
da segurança maior de ser quem era
entre buzinas e freios.
Seguiu pedestre
estofado e livre
na direção noroeste
com o vento
mas foi por pouco tempo.

8 comentários:

Leonardo B. disse...

[delicadamente, a palavra arruma

o projecto do voo,
o voo breve e delicado.]

um imenso abraço, Amiga Dade

Leonardo B.

Aloísio disse...

Palavras servem para tantas coisas!
E nesse poema elas se superam.

Beijo, Dade.

Adriana Aleixo disse...

Belo, belo, Dade!

Assis Freitas disse...

esse traço voo orbita no horizonte,


beijo

Kelly disse...

Muito gostoso ler seu poema e ficar conhecendo esse ganso!

Beijos!

Luana disse...

Um ganso de estimação, com certeza...

Bjss

mfc disse...

Uma descrição linda de um voo espantoso!

Daniela Delias disse...

Que bela descrição (poética)!

Bjo!