quarta-feira, junho 13, 2012

Violetas

Lá fora chove
e nada do que digo
é o que queria dizer.

Estou imóvel
e tenho a pressa
de uma presa ante o felino
eternamente preparando
o bote sem desejo
e a agonia poreja das paredes.

Asas coladas
voltamos ao casulo
seres viscosos
unidos no tormento
de um momento que não volta.

Além dessas janelas
a vida comemora seus enigmas
quatro estações e luas
e o vento vibra
por ruas e praças.

Em nosso espaço
somos peso de carne no açougue
sem mais surpresas
repete-se o que não houve
e nos reflete
em duas dimensões
– silêncio e chuva

quase violetas
de caule já desfeito.

                                                           Imagem sem citação de autor.

11 comentários:

Lara Amaral disse...

Com uma força, o poema diz bem desses seres frágeis que somos.

Belíssimo, Dade!

Beijo.

Antonio Carlos disse...

Caules, e casulos são flexões internas para espaços externos. Linda poesia, parabéns. Abs

Jéssica do Vale disse...

Quem retorna ao casulo
Tem consigo a vontade
de mudar a sí, para
mudar o mundo.
Ingressando de tal forma
Onde suas asas,
Asas de Borboleta
Festejem o dia, a noite
Quem sabe até, a vida inteira.

Aloísio disse...

Que poema tocante, Dade!
É a vida em sua forma do dia-a-dia, o amor que se vai...

Beijo.

Ivan disse...

Belíssimo poema, Dade.

Beijos do Ivan.

Assis Freitas disse...

"a vida comemora seus enigmas", e eu me estranho com tanta beleza,



beijo

mfc disse...

A fragilidade da vida é também a sua enorme força... e beleza!

Beijinhos,

Luana disse...

A tristeza muitas vezes é um reforço à beleza de um poema.

Beijossss.

Daniela Delias disse...

A palavra "violeta" é linda. A flor é delicada, linda também. E teu poema de uma beleza...

Bjão, Dade!

Mirze Souza disse...

Tão lindo e profundo, Dade!

"nada do que digo, é o que queria dizer"

Tem tudo assim tão ímpat e comum ao ser humano.

Beijos

Mirze

Jorge Pimenta disse...

pétala sobre pétala... como todas as coisas frágeis.
coincidência: andei a escrever sobre flores e gente, também :)

beijinho!