segunda-feira, junho 18, 2012

Um ano só




Um ano não começa
recomeça
em cada vida
nas revivências
lembranças
dores
e o que foi sonho
é sonho sempre
independente
de numerais
ou calendários.

Um ano não começa
um ano sopra
aos ouvidos
um ano supre de sonhos
desconversa
inova fatos
marca a memória
para outros anos
enfim chegados.

Um novo ano é como um barco
singrando mares novos
talvez
quem sabe antigos
mares de quem já navega
terras secas.

Em cada vida
o ano começou
de uma placenta
e já sabemos
quando termina
ainda sem data
até que a data chegue.

7 comentários:

Leonardo B. disse...

[esse dia a dia, remendado pano de cada ano,

somente ano, somatório dos dias.]

um imenso abraço, Amiga Dade

Leonardo B.

Adriana Aleixo disse...

Belo, Dade querida. Há tempos venho navegando terras secas...

Gosto de vir aqui, ler seus versos e ouvir suas músicas.

Muitos beijos:)

Bípede Falante disse...

Tão delicado, Dade.
Um ano não importa com que idade e em que fase é sempre uma chance do primeiro ao último dia.
beijoss

Mirze Souza disse...

Nossa fragilidade diante do tempo.
Muitas vezes o ano sequer começa.

Belo poema

Beijos

Mirze

Assis Freitas disse...

um novo ano está sempre se inaugurando, há que ter olhos para vislumbrar


beijo

Aloísio disse...

Um ano é só uma divisão formal do tempo.E o tempo corre, com ou sem formalidades.

Beijos, Dade.

césar disse...

Um ano é só mais um, e, parodiando Cortázar, a morte está no fundo de tudo.

Beijos.