sexta-feira, setembro 21, 2012

calçadão


tão leve
vestida de éter
não sente o vento
frio da noite

a noite magra
vaga estendida
debaixo de alguma ponte

cabelo dança
rumo do mar
raízes firmes
no calçadão

a noite é sempre maior
que os horizontes

sem flores
poema nas unhas
inventa
que despetala

a noite ondeia nos lábios
paisagem rubra

12 comentários:

Camilla disse...

A poesia das garotas de programa...
Bem bonito, Dade.

Bjs

Tatiana disse...

Lembrou Pessoa: "...o meu silêncio acolhe como uma música indecisa, o meu sossego afaga como o torpor de uma brisa".
(Marcha Fúnebre para o Rei Luis Segundo da Baviera - Livro do Desassossego, p.459)

Daniela Delias disse...

poema tão leve, tão forte, tão bom de ler...

bjo, Dade!

Assis Freitas disse...

uma balada noturna, para caminhos e inventos



beijo

teca disse...

Sutilmente esvoaçando pelas ruas...

Beijo carinhoso.

Adri Aleixo disse...

Sons e imagens maravilhosos.
Imaginei o calçadão, o caminhar a poesia nas unhas e um mar carioca ao fundo...

Beijo, poeta linda!

Ivan disse...

Linda vista do calçadão, Dade!

Beijos do Ivan

Roberto Costa Carvalho disse...

Lindíssimo!!!

Fred Caju disse...

Não absorvi, mas isso não é algo ruim.

2edoissao5 disse...

a poesia suaviza a vida...

Nilson Barcelli disse...

"a noite é sempre maior
que os horizontes"
Estes dois versos, mesmo fora do contexto, são brilhantes.
No poema, explica o "poema na unhas"...
Excelente poema, gostei muito.
Dade, querida amiga, tem uma boa semana.
Beijo.

Bípede Falante disse...

queria noites gordas que dessem um jeito na falta de fome das magras.
queria.
beijoss