sexta-feira, setembro 28, 2012

Palavra

Uma palavra acesa
seca e triste
fulgura a um sol pequeno
isento
orgulho e frio
desvinculado de todas as órbitas
sem remissão nem volta
irresgatado de toda brandura
uma palavra ausência e orfandade
distante dos sentidos.

Palavra só
sem destino.

7 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Lindeza, Dade! Palavra...Palavra sem destino, certamente palavra errante...Mas não palavra errada: palavra-verdade!
Beijos, querida, preenchidos de admiração

Luana disse...

Gostei muito do poema, Dade. É bonito e singelo, do jeito que me agrada.
Gosto muito do que você escreve.

Beijos

Assis Freitas disse...

palava chama, outras vêm no rastro da brasa,



beijo

Fred Caju disse...

Uma palavra acesa queima qualquer papel.

Gislãne Gonçalves disse...

"Palavras, apenas palavras..."

Belos versos

beijos

p.s.: voltei a postar no http://mudancapontocom.blogspot.com.br/

teca disse...

Palavras que permanecem em brasa... acesas...

Boa semana.
Beijo carinhoso.

Enylton disse...

Palavras são sempre palavras, necessárias ou não. Indispensáveis.

Beijos nossos.