quarta-feira, março 23, 2011

Canção para um crepúsculo

                 
 “Confesso que nunca soube lidar com a situação. O abatimento dele me provocava uma tristeza tão grande que eu não desejava estar ali
                             José de Assis Freitas


Você está deitado e
imóvel
e a noite vem chegando.

Não foi assim
durante os anos em que descobri
a única realidade conhecida.
Ao contrário
você vivia todo iluminado
as mãos inquietas
sempre à procura do que
eu não sabia.
Era risível
em certos momentos
impaciente em outros
e houve um tempo
– aquele tempo –
em que ninguém
era melhor companhia.






13 comentários:

Leonardo B. disse...

[um momento raro, em que a palavra na mão feita de lágrima, se torna cicatriz]

um imenso abraço, Amiga Dade

Leonardo B.

Lara Amaral disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lara Amaral disse...

Aprende-se muito com a dor, com a lembrança do que não mais há.

Beijo, querida!

Assis Freitas disse...

ei li primeiro lá no palavrório, e também fiquei tomado de imobilidade principalmente com o impacto final dos versos - que pode parecer simples, mas contém sutilezas mil,


beijo

Loba disse...

algumas heranças são imensuráveis. amar a vida é uma delas.
o conjunto - poema e epígrafe - dicou perfeito.
beijo

Raíz disse...

Incrível, Dade!

Como você sabe descrever bem, sentimentos e pessoas.

Aplausos!

Beijos

Mirze

Raíz disse...

Incrível, Dade!

Como você sabe descrever bem, sentimentos e pessoas.

Aplausos!

Beijos

Mirze

Suzana Martins disse...

E vou aprendendo a fazer versos de amor com vc...

Beijos

Adriana Alves disse...

Lindos versos.

Úrsula Avner disse...

Seus versos exprimem uma singularidade notável... Sempre um prazer te ler Dade... Bj.

Úrsula Avner disse...

Seus versos exprimem uma singularidade notável... Sempre um prazer te ler Dade... Bj.

Daniela Delias disse...

Como alguém bem disse aqui, aprende-se a falar de (o) amor com vc. Bjos, carinho.

Carol Timm disse...

Dade,

Esse poema tem muita força e vai ficando maior a cada leitura.

Gosto imensamente dele e de você!

Bjs,
Carol