sexta-feira, abril 20, 2012

Crescendo

Longe dos muros
perto da mata
talvez em praias
em altos mares
ainda cresce
como criança
livre no espaço.

Longe da infância
poder ser livre
é ainda crescer.

Vive um amor
livre de travas
por ele cresce
e vê a vida
com os mesmos olhos
da infância
agora
já tão distante
– mas nem parece.

7 comentários:

Jorge Pimenta disse...

em cada gesto há tanto que em nós muda, felizmente. só assim se pode acreditar no aforismo "nunca é tarde demais".

beijo, dade!

Fred Caju disse...

Deu vontade de ouvir Cidadão da Mata do Baiano (Chico Anysio) e os Novos Caetanos.

Aproveitando, deixo aqui um vídeo para xs leitorxs do espaço:
http://vimeo.com/40411264

Assis Freitas disse...

ramos, ramos de floração



beijo

mfc disse...

Quando estamos de novo apaixonados. a criança que existe em nós revive...

Daniela Delias disse...

Viver a vida com olhos de infância...
Escrever aproxima disso, né?

Bjo meu, lindo poema!

Leonardo B. disse...

Leio para o meu lado de dentro,
Leio para o ar que me rodeia,

Alto e cada vez mais alto,
retenho,
deixo dançar o seu verso que retenho por abraço!

E deixo, grato
Um imenso abraço, Amiga Dade

Leonardo B.

Bia disse...

Quando se vive e se ama, não se para de crescer...

Belo belo, Dade!

Beijos!