quarta-feira, abril 18, 2012

Jogo



Do jogo articulado no começo
resta pouco
– a curva menos firme
fios ainda dourados no cabelo
no braço esquerdo
o sinal.


Células novas
de antigo desencanto
nas fotos
nos espelhos.

9 comentários:

Luiza Maciel Nogueira disse...

o novo que brota na pele - células novas

beijos

Sandrio cândido. disse...

lembra o retrato de cecília
bjs

Aloísio disse...

Um retrato melancólico e lírico.

Beijos.

Daniela Delias disse...

Pensei a mesma coisa que o Sandrio. E também tão lindo!
Bjo

Assis Freitas disse...

desencanto é sempre canto a se desenrolar, cede os fios a tecer



beijo

mfc disse...

O tempo... transforma-nos!
Mas eu rio-me dele...

Ivan disse...

Poema verdadeiro e pungente, esse.
Gosto muito desse seu estilo.

Beijos do Ivan.

AnaC disse...

Células do desencanto, poema muito belo e verdadeiro.

Bjsss

Jorge Pimenta disse...

há jogos que não jogamos; jogam-nos.

beijinho!