segunda-feira, outubro 29, 2012

Afrodite



No fim desse caminho
céu prateado e cheiro de Afrodite
inclinação que faz o passo leve
por onde escorrem cantos de sereias
e a dança envolve todos os sentidos
o fim pode chegar de repente
como num poço sem fundo
habitado por um ser sem olhos e sem nome
tecendo uma teia de lâminas.

8 comentários:

Tania regina Contreiras disse...

O fim é uma dança. Será?

Beijos,

Assis Freitas disse...

esta imagem final, esta imagem final



beijo

Aloísio disse...

Um pouco assustador, mas de grande beleza.
bjs

Kelly disse...

Um risco, então?
Pensando bem, o amor pode ser mesmo um grande risco.
Bjs, Dade.

Bípede Falante disse...

Dade, chego a me sentir cortada por essa teia de lâminas e palavras.
Que poema forte! Impactante.

Beijoss

Ivan disse...

Medo de amar às vezes se justifica...
Beijos do Ivan

Daniela Delias disse...

Verso afiado...tudo tão belo!

Anna Amorim disse...

Tocou, particularmente.
Como ás x é cruel, mas q bela poesia vc fez desta verdade!

Beijos,