sexta-feira, junho 17, 2011

Inexato


E se a manhã fosse o começo
não de uma segunda-feira
mas dia desnumerado?
Manhã das horas queridas
a revirar cada luz
e olhar com calma
chuva escorrendo pela calha
dança de imagens
sede das poças dágua?

E se os pássaros voltassem
sem antes nem depois
a qualquer hora?
Quem sabe a noite
viajaria do fundo de sua música
até perder-se em luas de silêncio
dobraduras de asas
aos olhos das janelas?

Essas visões que hoje o cansaço apaga
quem sabe sobreviviam?



Poema reeditado.


9 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Ah, Dade...
Que bom começo de sexta-feira!
Seus versos alumiam o meu dia, que só me prometia tons escuros...
Lindo demais!
Beijos da
Zélia

Sandrio cândido. disse...

Seria o instante mais belo da vida
bjs

Luiza Maciel Nogueira disse...

visões de digna poeta! maravilhosas!

beijos

MIRZE disse...

Maravilha!

A partícula "SE", quando bem usada, ilumina poema e mente dos que leem.
esse questionamento quase sempre me faço.

Belíssimo!

Beijos

Mirze

Suzana Martins disse...

Seria a perfeição do dia...

beijos

AnaC disse...

Ser inexato é um pouco ser poesia, ser poesia é sempre inexato à procura de beleza, o resto nunca importa.

Beijos, Dade.

Sônia Brandão disse...

Essas visões permanecem no poema.

bjs

José Carlos Brandão disse...

Vivemos sonhando com o dia perfeito.
Beijo, Dade.

OceanoAzul.Sonhos disse...

Seria muito bom... tal como essa sua poesia...
bj
oa.s