sexta-feira, junho 24, 2011

Poeta 3

É fácil fazer de conta
e posar para fotos
como se fosse.
Basta um ar etéreo
um olhar distante
ou um sorriso de enigmas
irresistíveis.

Contar histórias com ímpeto
de artista
ser romântico sem culpa
e simular dores invisíveis
fazem parte do avatar.

Ajuda ter cabelos descuidados
talvez um ar sofredor
insatisfeito
gestos incompreensíveis
inusitados
e alguma habilidade com as palavras.


10 comentários:

Kelly disse...

Ironia bem dosada é uma das coisas mais divertidas do mundo. Gostei.

Kisses.

José Carlos Brandão disse...

O poeta é um amanuense das musas, disse Borges.
Fernando Pessoa disse que "os antigos cantavam as musas, nós cantamos a nós mesmos", isto é, as musas não existem mais.
Eu não abdico a frase de Borges, a primeira parte: o poeta é um amanuense.
A amanuense, desde os tempos do "Amanuense Belmiro", é um termo também em desuso.
E o poeta é um ser em desuso, ai de mim.
Também tenho um pouco de pessimismo, Dade.
Um grande abraço.

Lara Amaral disse...

As aparências nem sempre enganam, nem sempre correspondem. Quando saber que não?

Beijo.

« Katyuscia Carvalho » disse...

... E como ajuda...

Não tem beleza mais genuína que se ser e se cumprir!

Um beijo, minha querida.

Ivan disse...

Mas será que ainda existem "poetas" desse tipo? Bom, é bem possível...

Bjs do Ivan

Úrsula Avner disse...

poesia da melhor qualidade sempre Dade... Bj.

Daniela Delias disse...

Adorei!

Bjos ;)

MIRZE disse...

Deve ser, Dade!

Sofro tanto por causa dessa mania de poesia, que já estou largando o barco!

Beijos

Mirze

Assis Freitas disse...

fazer de conta é fácil, difícil é a escritura

beijo

César disse...

:-) Aparências que quase sempre enganam, amiga Dade.
BJ