segunda-feira, junho 20, 2011

Poeta

 
I’m not a poet
eu disse a um cara.
Veio me perguntar se eu era
e não entendia nada
dos poemas
que viu
mas não conseguia ler.

I’m not a poet
um lado chorando litros
o outro cheio de garra.
Pode ser que o lado líquido
se candidate
mas o lado enxuto
não acredita.

Pode ser que a certeza
de que um dia vai morrer
sem saber
do que pode rolar
em sua vida
faça de alguém um poeta
eventual.

Mas como será
ser um poeta
sempre?

13 comentários:

Cosmunicando disse...

como será? sei lá.
mas isso ficou certeiro ;)

Suzana Martins disse...

Eu não sou poeta, mas absorvo as suas palavras. E pra mim, tu és poeta, e não é eventual, é pra sempre!!

Beijos

Lara Amaral disse...

A poesia que leio aqui cai fundo, sempre existiu.

Beijo, poetisa.

MIRZE disse...

Poeta para sempre....

Só depois de mortos saberemos. Porque aos que morreram sem ver seus versos comentados, suas pinturas sendo admiradas (e foram tantos...)morreram para serem notados.

Não é o seu caso, Dade! You are a poet.

Beijos

Mirze

Nilson Barcelli disse...

Mas como será ser um poeta sempre?
Eu não sei... mas deve ser chato... só às vezes já é tanto...
Mas sei que o teu poema é muito bom... Gostei muito.
Um abraço e boa semana.

Luiza Maciel Nogueira disse...

ah você sabe Dade! você é poeta mor!

beijos

Luana disse...

Longe, longe, longe/ ouço essa voz/
que o tempo não vai calar... Poeta sempre, sim :D
Bjs

Daniela Delias disse...

Deve ser algo como o q vc faz...essas coisas lindas que vc escreve e que acertam a gente em cheio! Bjo, Dade querida!!!!

Marcantonio disse...

Talvez seja essa uma pergunta que todos os poetas sempre façam a si mesmos.

Beijo, Dade.

Ilaine disse...

Querida Dade! Fiquei muito feliz ao ver que me visitou em meu outro blog. Espero que volte... Estarei lá esperando, tá?

Poetisa- Dade- Sempre! Adoro seus poemas delicados e lindos. Tão você! Beijo

Márcia Maia disse...

bravo, dade! que poema!
beijo daqui.

« Katyuscia Carvalho » disse...

Gosto de dizer que há dias em que se "está" poeta... e que isso baste!
:)

Assis Freitas disse...

poeta sempre anda com a algibeira cheia de palavras em tempestade


beijo