sexta-feira, março 19, 2010

Rio 2



Reconhecer no rio
o exercício do mundo
sem espelhos.

Cumprir o curso
em que se aprende a ser solto
desinquietar.

Crescer
como se fosse o fim sendo o começo
da grande queda.

Amar o abismo
paixão de rio entregue ao salto.

 

9 comentários:

Leonardo B. disse...

[sempre por esse rio, abaixo ou acima, porque como dizia Zuo Si "É na nascente que se pode deter o curso da água"... é aqui que o nosso olhar deve repousar, com atenção.]

um imenso abraço, Amiga Dade

Leonardo B.

continuando assim... disse...

Convite para ler

O livro "Continuando assim...", foi maltratado...

Resolvi por isso, e porque tanta gente não encontra o livro onde deveria estar (nas livrarias), recontar a história , lá no
…. Continuando assim…

Vamos em metade da história, o livro reescrito , não está igual (nem podia) ao que foi editado.
Um obrigada especial a quem segue (pois só vale a pena assim).
A quem chega de novo, umas boas vindas sinceras. E outro obrigada .

Mais uma reflexão em relação a todo este assunto, e um conselho, se é que me é permitido:

--- quando vos pedirem dinheiro para editar as vossas palavras, simplesmente digam que não ---
Bj
Teresa

J.F. de Souza disse...

curva de rio

sou o que fica
à margem
sou o que
resiste

agarrado a uma
curva de rio
sou
lixo
não devia estar ali

J.F. de Souza disse...

"Yo soy un río,
voy bajando por
las piedras anchas,
voy bajando por
las rocas duras,
por el sendero
dibujado por el
viento.
Hay árboles a mi
alrededor sombreados
por la lluvia.
Yo soy un río,
bajo cada vez más
furiosamente,
más violentamente
bajo
cada vez que un
puente me refleja
en sus arcos."

Javier Heraud in El río, 1960
------------------------------

Saiba que eu adorei esse "rio 2" teu, Dade qrida! :)

:*

Gerana Damulakis disse...

É dade, vc é incrível.

José Carlos Brandão disse...

Dade, agora você se superou.

Assis Freitas disse...

Nunca se volta ao rio com o mesmo comentário, então quando tudo é outro há o caminho para o salto. abraço

Inês disse...

Que lindezura!
Aqui há muitos rios, grandes, silenciosos ou mortos. É o caminho das águas pro mar, e reflete muito nosso lugar na natureza.
Um abraço!
Inês.

Nilson disse...

Não sei de qual dos rios eu mais gostei: o 1 ou o 2. Poesia de primeiríssima, Dade!