sexta-feira, abril 15, 2011

Poema amigo – Graça Pires

 Tela de Paul Cézanne.

Todas as palavras são adequadas

 

Todas as palavras são adequadas
para evocar os dias
para sempre agarrados
à cal da casa onde nascemos.
Quase nada sei a meu respeito
desse tempo tão claro
em que as sombras eram apenas
a antecipação da noite.
Tento imitar aquela inocência
próxima da brancura dos lírios
e do frémito do rio
abraçando o mar.
Torna-se difícil encontrar os sinais
sobreviventes da memória:
a prata do chocolate
pacientemente alisada,
as velas dos moinhos,
as cerejas carnudas,
a roupa a corar sobre a erva,
a claridade das mãos da minha mãe
carregadas de tarefas e de presságios.

 Graça Pires
 De A incidência da luz, 2011

7 comentários:

Adriana Alves disse...

Mão de mãe... carregada de tarefas e presságios. Que lindo isso. Fiquei encantada. As palavras conseguem atingir a alma neste lindo poema.

Tania regina Contreiras disse...

...a claridade das mãos da minha mãe carregadas de tarefas e de presságios.

Graça, um poema de primeira grandeza, gostei imensamente, e este final foi qualquer coisa de maravilhoso.

Beijo,
Tania

Úrsula Avner disse...

Oi Dade, admiro muito a escrita da Graça, com seu aspecto intimista e versos bem cuidados. Lirismo á flor da pele... Lindos versos ! Bj para vcs duas.

Raíz disse...

Maravilhoso!

As mães, como carregam um fardo tão grande e tão meigo.

Parabéns, Graça e Dade!

Beijos

Mirze

Ilaine disse...

Dade, amiga! Ah, mas que belíssima escolha - "palavras adequadas" e lindas. Quanta sensibiliddae neste poema da Graça. Abraço

Zélia Guardiano disse...

Que versos lindos, Dade!
Resgate inigualável dos dias tranquilos da infãncia...
Sábia escolha, monha querida!
Parabéns para Graça e para você!
Abraço, querida.

Graça Pires disse...

Obrigada pela divulgação, amiga.