segunda-feira, abril 04, 2011

Tema antigo

Foto sem menção de autor.


O amor tem muitas faces
corpo ubíquo
e uma doçura mutante e ancestral
uma beleza lacustre de narciso
um universo no umbigo
e um longe som de sino em catedral.

Amor é lâmina que dói quando não fere
é festa que se prepara e fim de festa
é caminhada e rastro e é cansaço
é voo e luz e barco e ventania
naufraga mas se salva
arde mas não se extingue.

Serpente que se devora pela cauda
o amor não diz adeus
nem se anuncia.


Poema reeditado

8 comentários:

Raíz disse...

Nossa DADE!

Nydia sabe arrasar! Poetisa de primeira.

E você sabe pescar os melhores!

Beijos

Mirze

Anônimo disse...

Muito sutil essa visão do amor - bem original e tocante!

Gostei muito daqui, Dade!

Beijos da Glória.

Nilson disse...

Não diz adeus nem se anuncia: muito bom. Eis um olhar maduro sobre o amor. Massa, Dade!

Luiza Maciel Nogueira disse...

maravilhosa poesia! maravilhosa! estou boquiaaberta :))

beijos

Tania regina Contreiras disse...

Hum....bonita, suave, tocante...
Beijos,

Graça Pires disse...

O amor: não sabemos quando começa, mas percebemos quando acaba.
Um beijo.

Assis Freitas disse...

Camões adoraria este Tema antigo, e tão musical e belo


beijo

Natália Nunes disse...

que poema lindo, dade!

"Amor é lâmina que dói quando não fere"
também vejo o amor bailando dentro dessa dicotomia, armado em um dos pólos na ambivalência da vida.

é fim de festa mas não diz adeus nem se anuncia.

grande beijo.