quarta-feira, março 07, 2012

Horizontes



 Misty Mount. Sem menção de autor.


Que horizonte
nosso futuro esconde
em suas jazidas?
Quanto futuro
resta no horizonte
desfiado em neblina?

12 comentários:

Assis Freitas disse...

há sempre algo por dentre as brumas,



beijo

Sandrio cândido. disse...

eis uma pergunta que intriga-me

Sandrio cândido. disse...

penso que o futuro é algo que nos esconde a vida e nos revela em instantes a mesma

mfc disse...

Reside tudo o que com desejo queiramos lá colocar!

Bia disse...

Quem pode saber? Resta a esperança.

Bjs.

Gislãne Gonçalves disse...

Acredite, ainda há muito futuro para nós!

beijos
:)

Voltei a postar depois de alguns dias ausentes

Ivan disse...

Surpresas, choques, medos, alegrias. Tudo o futuro pode nos trazer. E o poema é lindo.

Beijos do Ivan.

MIRZE disse...

Quem sabe, o otimista diria: um futuro sem medo, calmaria.

Ao pessimista não há sequer horizonte.

Os horizontes sempre existirão. mas o futuro, com ou sem tempestades solares, só a Deus pertence.

lindo!

Beijos

Mirze

césar disse...

É tudo um mistério.Mas os mistérios são uma das graças da vida.

Beijo.

Jefferson Bessa disse...

entre o esconder e o revelar
o poema se pergunta.
Muito bonito, Dade!
Um beijo.

Elisa Cunha disse...

Ainda bem que existe a imaginação pra essas horas...

Bjs

Jorge Pimenta disse...

hoje aprendi com o assis um novo verbo: horizontar. horizontemos, pois, sem que o tempo interfira nesse desejo de ser.

beijinho!