sexta-feira, março 09, 2012

Trama



Às vezes o chão da noite
seca o sono
então a madrugada
arma sua trama
inexorável
e o mundo inteiro
deita em nossa cama.

13 comentários:

Sandrio cândido. disse...

Ah, o ritmo do poema é tão suave...
beijos

mfc disse...

De madrugada a realidade aflige...

Tania regina Contreiras disse...

Larga cama, vastos lençóis, porque o mundo se infiltra na noite...
Beijos,

Daniela Delias disse...

Tão bom poder passar aqui e ficar, e ficar, sem pressa de ir embora...
Bjo,
Dani

MIRZE disse...

Lindo, Dade!

Essa trama da madrugada de noites insones, conheço. Mas tão bem escrito, ainda não tinha visto!

Beijos

Mirze

Assis Freitas disse...

estes poeminhas são tão certeiros,



beijo

Aloísio disse...

Não sei se você lembra de mim, fui seu colega de redação na FGV. Descobri quase por acaso este seu blog e fiquei encantado. Parabéns pelo talento e pela inspiração.
Um grande e saudoso abraço.

dade amorim disse...

Aloísio, me manda teu e-mail.
O meu é dedaamorimo@gmail.com

Abração.

Fred Caju disse...

Tô aí nessa orgia também!

Jorge Pimenta disse...

e pesa, não pesa?...
[há madrugadas que não sabem despertar porque nunca aprenderam a dormir...]

beijinho, dade!

ACÊ lochnessie disse...

Oi, Dade. Estou passando pra agradecer seu carinho, eu voltei e estou bem melhor, às vezes é necessario passar por certas coisas, mas tudo passa. Sua poesia tem trama, tem temperatura, tem neblina, mas nunca deixa de ser confeccionada, mesmo no frio da madrugada. Beijos ACÊ lochnessie

Adriana Aleixo disse...

Nossa!

Eu leio você logo agora?

Pensamentos fazem fila à porta da minha pobre mente. Preciso dormir!

Ops! Acabo de constatar que certas mentes não tem portas! São versão banda larga.

Beijinho...

Cris de Souza disse...

diria: na mosca!