segunda-feira, março 19, 2012

Noite


Enfim termina o dia, era tempo.
Como quem não espera mais da vida
fecho nos olhos memória e movimento
e o próprio vento agora silencia.

Enfim saio do dia e entro na noite
buscando um sonho ainda que sem rumo.
Tudo que peço da noite é um longo sono
que me dissolva nesse quarto escuro
onde as imagens se perdem nas paredes
como fantasmas através dos muros.

Nada porém será como eu queria
– o sono se despedaça em largos voos
e o fato consumado desse dia
não voa, mas se repete noite adentro.

11 comentários:

Luiza Maciel Nogueira disse...

rimas mais que perfeitas, poesia Dadística :), beijos

Mirze Souza disse...

QUE LINDOOOOO!

Cheguei a suspirar, ou voar. Sempre se busca na noite aquele alento que o dia movimentado nunca traz.

Beijos, POETA!

Mirze

Sandrio cândido. disse...

o tempo, sempre dissolvendo em nossos olhos rios estranhos

beijos

Amélia disse...

Gostei muito, como me é habitual ao ler os seus poemas.

Marcantonio disse...

Ah, os fatos consumados só serão consumidos quando vier a noite sem fim da nossa própria ausência!

Beijo, Dade.

Ivan disse...

Poema de beleza e realismo, Dade.
Beijos do Ivan.

Lara Amaral disse...

Ah, só os poetas sabem como as noites são longas e não desgrudam de seus versos.

Beijo!

Nilson Barcelli disse...

"Meter" o dia na noite não será boa ideia... é mais do mesmo...
Mas o teu poema é magnífico. Adorei as tuas palavras, querida amiga. Abraço grande.

mfc disse...

A noite por vezes torna-se sacrificial... e ansiamos que o dia regresse!
Beijo,

Enylton disse...

O que se busca e não encontra - o que mais acontece na vida.
Poema perfeito, Dade.
Beijos nossos.

Daniela Delias disse...

Perfeição, perfeição...tudo tão bonito e doído.

Bjo