domingo, junho 20, 2010

Ao som de celos

Tingida de desejo
uma alegria sonsa desdobrada
nesga de lua em janela.
O corpo se despedaça
em harmonia de linhas quebradas
como se ouvisse celos
na escadaria da Penha,
e chove
no último estágio da espera.

                    dade amoreim



Poema-amigo

Márcia Maia, uma pediatra do Recife, tem livros publicados e prêmios, todos merecidíssimos, em suas prateleiras.
Vem às vezes ao Rio, e numa dessas vezes nos reunimos com outros amigos. Foi uma alegria, uma noite de boas trocas e encontros felizes. Mais ainda que por essa boa lembrança, Márcia aparece hoje no Poema-amigo com a bela poesia que escreve em seus blogs, onde primeiro nos conhecemos, e em tantos outros sites, lado a lado com alguns dos melhores poetas e escritores da web.




Soneto de entrega

Amar é entregar. Tudo te dou.
Não porque tu me pedes porque quero.
Pois te sei livre em mim portanto espero
em ti livre perder-me: aqui estou.
Quero o grito o encanto o mel o vôo
oceano e deserto reverbero
sob o toque das mãos tuas: bolero
só audível a mim quando em ti sou.
Mais que flor ofertada aberta ao falo
sou suor sou galope e contra-canto
o teu corpo no meu corpo abrilhanto
e em mil sóis saberei multiplicá-lo
:
gozo imenso eterniza a cavalgada
e enrubesce de inveja a madrugada.

                                   Márcia Maia

10 comentários:

Lara Amaral disse...

Até uma nesga de lua faz um "estrago" quando poetizada assim. Que lindo!

E muito bonitos os versos da Márcia, já havia lido alguns poemas dela.

Beijos.

Carol Timm disse...

Li algumas vezes, antes de comentar o Soneto da Entrega Ao som de celos. Os poemas se completam lindamente.

A Marcia (ainda não conheço pessoalmente) mas a poesia intensa dela já faz parte do meu cotidiano sim.

Beijos e uma boa semana para nós!
Carol

Márcia Maia disse...

que presente pra mim, dade!
uma alegria e uma honra está aqui.
obrigadíssima, amiga.

muitos beijos.

José Carlos Brandão disse...

Suavidade de um dia de chuva fina.
Faz bem.
Um beijo.

contagotas disse...

Muito bonito e intenso. Cada verso é um poema!

Assis Freitas disse...

ao som de celos, parece música celestial, e o firmamento se entrega

beijos

nina rizzi disse...

a suicida márcia é feríssima. belíssimo encontro, dade. beijos.

« Katyuscia Carvalho » disse...

"Ao som de celos", dedilho uma página, e tu, Dade, me abres janelas:
lá vou eu como por entre estantes de uma biblioteca "espiar" os blogs desta moça.

Belo dueto, sonata e soneto!

Beijos.
.
.
.
Katyuscia

Úrsula Avner disse...

Belos poemas Dade... Tanto o seu quanto o da Márcia, cujo talento não conhecia, mas já passei a admirar...É um deleite poético acessar seu blog... Bj,

Úrsula

Sylvia Araujo disse...

Essa chuva, em lua, que nos amolece o coração...

Lindo, Dade!

Beijoca