sexta-feira, junho 18, 2010

A mesa posta



Foto Jean Haute Garonne.



Alguma coisa se aflige
no ato mero de estender a toalha
sobre a mesa.

Essa desordem
transtorna o mundo em montanhas
atinge a várzea
e triste se contempla
até que o céu se desdobre
azul
(o azul é uma canção desatada
que existe mas não canta).

Os pratos postos embora
alguma coisa exista
que nunca se completa.

Alguma coisa é fuga
e implora
sem conseguir o exato
a imagem submersa
extrema de cansaço
e a descoberta
do que sempre existiu
tumultuado e mudo
e falha
à mesa posta.

dade amorim
Poema reeditado.



***

Poema-amigo – dia de Nydia Bonetti

Não há muito tempo que conheço Nydia, mas conheço Nydia desde que comecei a ver o mundo por minha conta. Não seria mentira dizer que gosto muito dela, embora só de poemas seja feita nossa amizade. Poema é a coisa mais ligada ao afeto que pode existir, porque é retrato e é espelho.


(XVI)


a água na chaleira ferve
é madrugada já - a erva é doce
a camomila nem tanto
tisana de perfume suave
perfeita para mentes distônicas
(talvez me adoce a alma)
robótica a mão apaga o fogo
os olhos pesam
(como o nada é pesado)
autômatos os pés se arrastam
zumbi o corpo se atira na cama
mergulho suicida
no vazio onde as dores evaporam
até amanhecer

13 comentários:

Lou Vilela disse...

Dade,


Os poemas e as imagens encantam.

Mais uma escolha que demonstra olhar acurado e bom gosto. Admiro muito o trabalho da Nydia.

Beijos

nina rizzi disse...

fasíssima de nydia, das melhores que achei na rede.

e vc? me delicio cada vez mais. beijos e obrigada pela poema, sim, gosto :)

Assis Freitas disse...

amizade feita de poemas é laço e verso,

beijos

Nydia Bonetti disse...

onde nos leva a poesia? a resposta na brisa: não leva - traz.

é isso dade, a poesia me trouxe amigos e afetos, além do enorme prazer de ler cada um de vocês, com seu jeito muito especial de ser, sua identidade e linguagem próprias. estar aqui hoje com você é muito bom. sua poesia me encanta cada vez mais, pela serenidade que me passa e pela beleza das "cenas" que "assisto", cada vez que venho aqui.

"uma amizade feita de poemas" - como achei isso bonito...

obrigada, dade. beijo grande. :)

Anônimo disse...

Um sensação incrível o seu poema nos remete, Dade: uma certa nostalgia; uma coisa que parecemos quase lembrar e, logo em seguida, nossa mente esconde nos enganando; um sentimento rasgado que se aflige... demais, poetisa!

E a Nydia, ah... sou fã, tem uma obra encantadora, leio e releio incansavelmente. E concordo com o que vc disse sobre a poesia e a amizade, pois comigo também ocorre uma cumplicidade muito grande com meus poetas amigos e nossos escritos. É uma troca e tanto, e muito prazerosa.

Beijos em vc duas, que são umas queridas.

José Carlos Brandão disse...

Penso na desordem do amanhecer, os lençóis amarfanhados, a areia nos olhos, e a dureza da vida à espera... Mas a mesa posta é um convite à ordem, à beleza, a respirar a beleza da vida.
Um grande abraço, Dade.

Anônimo disse...

Dade,

Primeiro, teu poema, feito de um retalho de imagem, se desdobra ao nosso deleite.
Minha grande admiração por quem sabe dar à poesia, de uma nesga de cotidiano, um ritual que transcende metáforas e faz de letras imagens que jamais seríamos capazes de, de uma outra forma, "ver".
Isso da poesia ter nas palavras o que nem a tinta consegue no pincel do pintor, é das mais sublimes belezas!
Uma tela mais que encantadora conseguiste, e com um "mote" tão singelo que até encanta!

A poesia Nydiana vem depois do tal "ritual" estender-se por sobre a mesa que preparaste, como uma preciosidade e elegância de quem se serve apenas do essencial, enxugando qualquer excesso com lenço de pétala, e tendo por pássaro um pensamento que passa, e que ela colhe como a um fruto no azul do teu céu.

Este post, querida Dade, querida Nydia, ficou das coisas mais belas que já encontrei pela blogosfera.

Grande meu esmero pelas duas poetisas.
.
.
.
Katyuscia

Lalo Arias disse...

Que ninguém nos ouça, viu Dade, essa menina Nydia (que mora aqui do lado esquerdo do meu peito) é do balacobaco. Né não?

Carol Timm disse...

Dade,

Difícil acrescentar mais palavras às duas poesias que se completam: Dade e Nydia.

Mas gostei muito do comentário da Katyuscia e continuo me encantando com sua forma de combinar poesia e amizade como essencial.

Que bom fazer parte disso tudo!

Beijos,
Carol

PS: Hoje RISCO está imperdível, já leu?

Úrsula Avner disse...

Oi Dade,

Seu poema é belo e muito expressivo. Remeteu-me ao livro Reunião de família da Lya Luft. O poema da Nydia, igualmente belo, dialogou com o seu em plena sintonia. Aprecio muito os textos da Nydia e os seus também. Bj com carinho,

Úrsula

Jefferson Bessa disse...

Bom ver essa reunião de versos. Nydia e Adelaide: poetamigas. Lindo encontro!
Beijos pra vocês.

Sônia Brandão disse...

Beleza em dose dupla.

Também admiro muito o trabalho de nossa amiga Nydia. Muito boa a sua escolha, Dade.

bjs

Nilson disse...

De volta (de novo!), à blogosfera, e passeando pelos blogs, me deparo com novas surpresas dessa sua série que é demais. Nydia é uma voz inconfundível - e esse poema é uma boa prova disso. E você, Dade, é sempre essa torrente de poesia. E como os poemas dialogam!!!