segunda-feira, outubro 17, 2011

Nossa história



Se numa noite de inverno um viajante
como diria Calvino
abandonasse o caminho conhecido e arriscasse
tudo que lhe poderia acontecer
o pé torcido o medo um mau encontro
ou se perder em estradas alagadas
seriam responsabilidade dele mesmo
e entanto
quis reviver o gosto da aventura
e o risco
tinha saudade do risco
os ossos mal encaixados
e um tremor de adrenalina mal distribuída.

Nossa amizade começaria
numa clínica
ele muito mal-humorado.

10 comentários:

OceanoAzul.Sonhos disse...

magnifico!

abraço
oa.s

Bípede Falante disse...

A ideia de arriscar tudo o que pudesse acontecer é uma das maiores tentações que conheço.
beijos :)

MIRZE disse...

Maravilha, Dade!

O risco é tudo.

Beijos

Mirze

Marcantonio disse...

Vim seguindo uma indicação do Lalo no FB. Ele disse que este é um poema absolutamente necessário. E é mesmo!

Beijo, Dade.

Sandrio cândido. disse...

Nossa!!!

Ivan disse...

Arriscar-se é viver.
Beijos, Dade.

Iara Maria Carvalho disse...

Como se diz por aí: esse eu queria ter feito.

Me arriscar de viver.

Beijos!

*** tem poema novo lá no Espanto, uma nova leva que começa...:)

césar disse...

Perfeito, Dade, a vida é assim - adrenalina e ambivalência dos encontros.
Beijo.

Marcio Nicolau disse...

maus encontros mal encaixados ossos... tudo se encaixa.

Passo a passo.

Assis Freitas disse...

há uma cadencia sonora nessa empreitada de versos quase dialogados, muito belo


beijo