segunda-feira, julho 18, 2011

Esfera


Em calendários suspensos
o armário guarda um passado
que já não veste o presente
mas a estação tece a espera
a retomar fios soltos
num bordado paciente.

Na esfera sem saída que é o mundo
a história recomeça a cada instante
: era outra vez uma vez.

10 comentários:

Ronaldo Costa Fernandes disse...

Belo poema, Dade. Não vi onde posso seguir seu blog.
Abs
Ronaldo

OceanoAzul.Sonhos disse...

O passado tece fios para toda a eternidade.
Tão bom lê-la...

beijinhos
oa.s

Sandrio cândido. disse...

" era outra vez uma vez"
O eterno retorno
abraços

AnaC disse...

Perfeito, Dade, e como sempre muito bom de ler.

Beijos.

Camilla disse...

Esse final é um poema por si só.
Lindo
Beijo, Dade.

Sônia Brandão disse...

Dos fios do passado se tece o presente.
Beleza, Dade.
bjs

Samuel Pimenta disse...

A Dade é uma poetisa inspiradora. Que o lirismo jamais se separe dos seus versos. E que a beleza das suas palavras possa perdurar no tempo ad infinitum.

MIRZE disse...

Belíssimo, Dade!

Você é incrível!

Beijos

Mirze

Daniela Delias disse...

A palavra "calendário" é de uma beleza, né Dade???
Bjos cheios de carinho!

Milene R. F. S. disse...

O passado sempre está misturado a nosso presente, assim como também, o nosso presente tece com os seus fios o nosso futuro... belo, beijos!